quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Caso de Amor.

(iluminura de Martha Barros)

Uma Estrada é deserta por dois motivos: por abandono ou por desprezo. Esta que eu ando nela agora é por abandono. Chega que os espinheiros a estão abafando pelas margens. Esta estrada melhora muito de eu ir sozinho nela. Eu ando por aqui desde pequeno. E sinto que ela bota sentido em mim. Eu acho que ela manja que eu fui para a escola e estou voltando para revê-la. Ela não tem indiferença pelo passado. Eu sinto mesmo que ela me reconhece agora, tantos anos depois. Eu sinto que ela melhora de eu ir sozinho sobre seu corpo.

De minha parte eu achei ela bem acabadinha. Sobre suas pedras agora raramente um cavalo passeia. E quando vem um, ela o segura com carinho. Eu sinto mesmo hoje que a estrada é carente de pessoas e de bichos. Emas passavam sempre por ela esvoaçantes. Bando de caititus a atravessavam para vem o rio do outro lado. Eu estou imaginando que a estrada pensa que eu também sou como ela: uma coisa bem esquecida. Pode ser. Nem cachorro passa mais por nós. Mas eu ensino para ela como se deve comportar a solidão. Eu falo: deixe deixe meu amor, tudo vai acabar. Numa boa: a gente vai desaparecendo igual quando Carlitos vai desaparecendo no fim de uma estrada... Deixe, deixe, meu amor.


De um livrinho lindo, com fita colorida e tudo, que ganhei.


Memórias Inventadas - Segunda Infância, do Manoel de Barros.

-

7 comentários:

o Cronista disse...

Qual o motivo da graça?
Sim, sou estudante de arquitetura, terminado o primeiro ano, é que além de desenhar, tiro um tempinho pra escrever, mas nota-se é não por talento ou habilidade, é um hábito estranho....
e qto ao seu otimo texto, soou-me como "boulevard of bnroken dreams"...rsrsrs

Anna Flávia disse...

Tão bom ganhar livros. x)


Beijo

Lucia disse...

Interessante a linguagem do texto!
Ta aí outro livro pra minha (enorme) lista!

Adoro dar livros de presente, mas faz tempo que não ganho um... =/

Beijos moça, boa sexta-feira!
;*********

The Thinker disse...

Olá menina Linda !!!!

E ai como estás ! Msn estou nele hj!!
Torcer por vc... ta brincando! Nem precisa pedir estou a torcer por vc sempre ! Vc nem imagina desde quando e nem o quanto torço por vc! Na vida e na carreira e em tudo q tu fizer !
E sempre lembrando... Arquitetura !!!! Aí vamos nós !!!!!!! hahahhahahhaha

Bela figura e texto diferente mas legal !


Boas provas ! torço p ti!

Bjao ...

T cuida!

Força Sempre !

Monie disse...

oi moçaa!
td bem?
hum, gostei do texto realmente é muuutio legal!..

bju,bju**

Manoel Carlos Bolha disse...

Oi Morganna, aproveito o espaçco aqui para agradecer a sua benevolência ao apreciar o meu trabalho, isso me enche de lisonjeio. Sua página aqui é bacanérrima. Um beijo. Bolha.

Lara disse...

QUE INVEJA! MANOEL! :~

"Por viver muitos anos dentro do mato
moda ave
o menino pegou um olhar de pássaro –
contraiu visão fontana.
por forma que ele enxergava as coisas por igual
como os pássaros enxergam.
as coisas todas inominadas.
água não era ainda a palavra água.
pedra não era ainda a palavra pedra.
e tal.
as palavras eram livres de gramáticas e
podiam ficar em qualquer posição.
por forma que o menino podia inaugurar.
podia dar às pedras costumes de flor.
podia dar ao canto formato de sol.
e, se quisesse caber em uma abelha, era
só abrir a palavra abelha e entrar dentro
dela.
como se fosse infância da língua."